quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Fatos

Poderia ter acontecido com qualquer um, mas foi comigo.

Perdi minha esposa, minha amiga, minha parceira.

Perdi a minha Raquel para o câncer.

Um linfoma do tipo Não Hodgkin Difuso de Grandes Células B.

Um nome gigantesco pra uma doença que surgiu num lugar que eu nem sabia que tinha um nome: me-di-as-ti-no, que é o espaço entre os pulmões.

Tudo começou em junho de 2014. Era Copa do Mundo no Brasil!

Nós tínhamos acabado de encerrar uma fase bastante estressante, com uma reforma no apartamento que durou o dobro do tempo previsto. Foi foda!

Mas nem sempre foi assim!

Viemos pra esse apartamento em agosto de 2010. Coincidentemente, o clima também era de Copa do Mundo – uma ressaca típica de fim de festa.

Quando ainda não tínhamos um teto pra chamar de nosso, e as vuvuzelas surgiram, eu dizia que dali a quatro anos nós assistiríamos aos jogos pela nossa tevê, na nossa sala, na nossa casinha.

Estávamos há alguns meses morando de favor na casa de uma amiga dela, a Naruna.

Fizemos a nossa mudança (uma mala de roupas, um colchão inflável, uma cafeteira e uma sanduicheira) de metrô, numa sexta-feira à noite, trazendo tudo num carrinho de feira.

O que nos chamou a atenção no anúncio do apartamento foi o lustre no teto da sala. Lindo!

No dia da visita (que foi quando tiramos, saltitantes, a plaquinha de “Aluga-se”) descobrimos que o teto do banheiro era bem podrinho. E só depois que as chuvas chegaram nós reparamos que as goteiras transformavam o telhado em peneira.

Eram dias frios, o chuveiro não funcionava, não tínhamos televisão, nem fogão ou geladeira. E foi uma das épocas mais felizes da minha vida inteira!

Raquel e eu temos tínhamos uma sintonia deliciosamente perceptível, e sempre nos demos muito bem. Eu sou era casada com a minha melhor amiga e sempre foi delicioso viver com ela! E divertido! Ganhei nos últimos anos rugas nos cantos da boca que foram lapidadas por risadas sinceras.

Aí a reforma acabou, a Copa começou e o pesadelo se iniciou.

Descemos ladeira abaixo!

Foram 40 dias de internação pra tratar uma pneumonia.

Nessa época eu já morria de medo de tudo aquilo, e ainda nem sabia que haveria um tumor!

Aí vieram seis ciclos de quimioterapia.

E 20 sessões de radioterapia.

Em março veio a remissão, que é quando a doença some.

Aí o câncer reapareceu, duas semanas depois.

Na cabeça.

A expectativa era de seis meses de vida.

Ela perdeu o controle do lado esquerdo do corpo, fez mais químio e mais rádio.

Ficou internada por diversas situações distintas. Na última, no dia do aniversário dela, três meses depois da doença voltar, nem teve a triagem de sempre do pronto socorro: da emergência ela foi pra UTI.


Morreu cinco dias depois.



5 comentários:

  1. Imagino o que você está passando hoje minha amiga. Mas a vida é assim mesmo. Uma vez me perguntaram porque Deus colhe as pessoas boas desse mundo? Eu respondi porque o fruto está maduro e se cair pode se machucar ou apodrecer. Resumindo seja forte minha amiga. Bjs e saudades.

    ResponderExcluir
  2. Moral da história? Não somos sábios suficiente para entender sobre: vida, destino, universos, mas uma coisa é certa. Temos que viver a vida intensamente, mas afinal onde está a intensidade? O que é viver intensamente?? Pra mim, seria mais do que fazer milhões de coisas pelo mundão, mas o simples fato de sorrir para cada besteira falada, dizer te amo sempre que sentir vontade, curtir o sol, a brisa, a chuvinha, não reclamar das coisas por pior que sejam, ser tolerante, humilde, compreensiva, ter o sorriso no olhar, a simplicidade nas palavras, a paz interior, o afeto por pessoas que muitas vezes não são tão próximas, mas são pessoas. Isso não diminui a dor e o sentimento de perda, mas sem dúvidas é prova de dever e missão cumprida.
    #exemplodevida

    ResponderExcluir
  3. E que copa, foi aquela! Aproveitamos e rimos muito, e acompanhamos de perto a transformação do apê de vcs, cada dia mais lindo! O teto sempre me chamou a atenção também, sempre foi muito vocês! Foi tudo tão rápido, tão intenso, mas temos tantas lembranças de tantos momentos bons! E são eles que nos confortam! Beijo grande, Alice!

    ResponderExcluir
  4. Não ha conheço mas fiquei tocada com cada palavra, pude sentir a angústia das suas palavras. Hoje a Raquel vive no seu coração. Raquel vive!
    E agora está em tudo.
    Cuide de você, por ela.

    ResponderExcluir
  5. As vezes Alice por pior que seja por menor que pareça é muito mais fácil perder pra morte do que perder pra vida;Pode soar egoísta mais pense pelo lado bom não houveram brigas,desentendimento, desamor..... A Raquel teve consigo a companheira amorosa,a amiga esperançosa todos os dias de sua breve vida ao seu lado, que tenho certeza que com esse pequeno gesto tornou seus dias mais ternos mais aconchegantes. Tenha certeza que ela agora se faz uma pequena estrela no céu a te observar,a te iluminar.Não se prenda no sofrimento dos últimos meses, agradeça todos os dias por ter se findado o sofrimento da sua amada que agora se encontra num local de luz como ela sempre fez...... Á te iluminar.

    ResponderExcluir