terça-feira, 29 de setembro de 2015

(Im)publicável

Lancei esse blog no sétimo dia depois de perder a Raquel para sempre.

Primeiro me encheram o saco pra fazer um blog.

Depois reclamaram que o nome, Sol sem Sorte, era isso e aquilo.

Mas a verdade é que não me abalei (não com isso!).

Eu já tinha começado a escrever há muito tempo. Mentalmente, já que muita coisa nunca saiu de dentro da minha cabeça.

Eu "escrevia" um pouquinho a cada dia. Coisas mórbidas, que não seriam bem-vindas na ocasião.

E me toquei desse inevitável tom sombrio quando, num momento de total desespero, eu estava comendo algo e "postei": "então a morte tem gosto disso".

Mas, enfim.

Passada uma semana do ocorrido, cansada de tanto chorar, escrevi o primeiro post do blog.

Não tenho até hoje uma rotina de postagem. Escrevo quando a Inspiração aparece por aqui e me dá seu beijo vital.

Mas tenho por hábito agrupar todos os textos em tags. Hoje não faz, ainda, muito sentido, mas a meta é um dia facilitar a localização dos temas em meio a tantos assuntos publicados.

São pouquíssimos marcadores.

Todos foram criados no mesmo dia.

Mas a vida, tão viva quanto a nossa língua, decidiu que esse era um bom momento pra me mostrar que o equilíbrio surge também quando se está caído.

E por isso uma nova tag foi criada.


Grata!


Rotina


A bizarrice toma conta do espaço

E em cada canto ecoam os meus passos

Aprendo, diariamente, a conviver sem seu abraço

E sinto uma sincera vontade de matar. E morrer.




sexta-feira, 25 de setembro de 2015

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Fragmento musical

"A saudade me dói, o meu peito me rói. Eu estou na cidade, eu estou na favela... Eu estou por aí, sempre pensando nela"!


quarta-feira, 2 de setembro de 2015

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Feliz aniversário, Samuel!

Querido Samuca,

Hoje faz um ano que você nasceu.

Com isso completamos um ciclo de 365 dias de vida.

Da sua vida!

Sua valiosa vida!

Gostaria de ter lindas e doces palavras pra te dizer, te amparar e te assegurar que a vida será sempre incrível…

E não só isso!

Gostaria também de ter o poder de bloquear todo e qualquer mal-estar que possa te acometer!

Mas infelizmente, como sua tia que já te ama muito, não posso criar uma expectativa que pode ser desfeita logo ali à frente.

A vida é dura, pequeno guerreiro!

Eu digo isso não no intuito de te desanimar; ao contrário! Minha meta é apenas ser sincera o suficiente pra te auxiliar, quem sabe, a se preparar para o que ainda está por vir!

Infelizmente estamos comemorando seu primeiro aniversário longe da pessoa que, eu sei, seria sua melhor amiga até o fim da vida.

Nada nunca vai tampar esse vazio que você nem sabe que já existe na sua vida. E não há, no mundo, ninguém que se compare à sua tia Raquel (que começou um longo e doloroso tratamento exatamente no dia que você veio alegrar o nosso mundo!).

Essa ausência, por si só, já é o suficiente pra eu te garantir que a vida nem sempre tem as cores que desejamos!

E por mais que eu sempre fique bastante zangada por não poder mais contar com ela nos meus dias, meu pesar se torna ainda maior quando penso que você também está privado da sua companhia.

Acredito que o consolo, quiçá o único, seja o fato de sabermos que há um lindo anjo zelando por você…!

E com isso eu quero dizer que a vida é ingrata, mas pelo menos tem as suas doçuras!

Prova disso é que, mesmo sozinha, ganhei você de presente!

Feliz aniversário!


A tia te ama!